Total de visualizações de página

domingo, 29 de abril de 2012

O Mapinguari

Desenho de Taciane, minha filha com seis anos.

Uma empresa foi coletar látex dentro da Selva Amazônica com um pequeno exército de soldado da borracha. Preparam-se para enfrentar as adversidades da floresta tomando vacina contra a malária e febre amarela. Tudo ia muito bem até que, no sétimo dia, quando foram almoçar, mas não encontraram a comida pronta:
- Cadê o almoço, mano? Indagavam em uma só voz.
- Seu preguiçoso, não fez a comida! Outro protestava.
- Estava dormindo, era? Outra voz insultava.
- Calma, gente, não foi nada disso, não! Eu fiz a comida, como de costume, mas ao meio dia, escutei um grito rouco do lado esquerdo do acampamento e fui verificar o que era, porém não vi nada. Quando voltei para a cozinha aqui, no acampamento, deparei-me com um monstro gigantesco como o King Kong pegando uma por uma as panelas fervendo e as entornando em sua enorme boca localizada no meio da barriga. Como eu o vi de costas, a princípio, pensei que ele estava derramando em seu umbigo, então olhei de lado e percebi que havia uma boca na barriga dele. Podem vir aqui olhar as panelas sujas e fedorentas! Defende-se o cozinheiro.
- É o Mapinguari! Alguém sugere.
- Que nada, isso é só uma lenda! Este leso estava era dormindo e sonhou. Resmungava um famélico.
Foram investigar a estória. Viram pegadas estranhas, meio arredondadas, como se os pés fossem virados para trás. No dia seguinte, o fato se repete:
- Meu irmão, deixe de brincadeira! Quer nos matar de fome, é?  Alguém reclamava.
- Não se trata disso, não! O problema é que eu faço a comida, mas vem o monstro que lhes falei ontem e come tudo sem eu poder fazer nada, pois nem arma de fogo eu tenho, somente as facas da cozinha. Como posso enfrentá-lo assim? Ele é grande e forte e muito catingoso. Ninguém aguenta. Explica-se o cozinheiro.
- Desse jeito, não pode ficar, não!
- Pois bem, amanhã eu virei ao meio dia e quero ver se esse macaco superdesenvolvido vai nos deixar com fome outra vez. Decide o valentão da turma. No dia seguinte, às onze horas e quarenta minutos, todos ficaram à espreita do Mapinguari. Todos, exceto o cozinheiro e o corajoso, esperavam em cima das árvores. O valente fez uma tocaia próximo da cozinha. De repente, ouviram um ruído rouco próximo ao acampamento. Um forte cheiro de gambá insuportável aumentava paulatinamente. Todos tremiam de medo. O barulho de galho quebrando se intensificava cada vez mais. Num farfalhar das folhas secas, abriram-se os galhos e revelou-se uma criatura semelhante aos gorilas das montanhas africanas; ora andando em quatro patas, ora em duas. Ao chegar ao campo aberto, ficou bípede e sondou o ar no rumo à cozinha. Todos colocaram a mão no nariz e ficaram trêmulos observando aquele gigante com pelos grandes e avermelhados, com uma bocarra no meio da barriga, como descrevera o cozinheiro, garras enormes como as da preguiça, um só olho grande na testa, igual ao de um ciclope, mãos e braços desproporcionais, pés virados para trás (lembrando o Curupira), com uns dois metros de altura e envergadura com aproximadamente um metro e vinte centímetros. Seguiu direto para a cozinha. O valentão indo atrás com uma espingarda de chumbo doze milímetros e um machado arqueado, tão bem afiado que o gume brilhava no sol do meio dia. Ao chegar à cozinha, pegou a panela com carne de caça fervente e entornou na bocarra no meio tronco. O corajoso se aproximou cerca de cinco metros traiçoeiramente, mirou na cabeça e disparou: poouu!  O Mapinguari parou por cinco segundos e continuou a despejar o conteúdo da panela em sua boca e jogou a panela já pegando outra. O intimorato jogou de lado a espingarda, firmou o machado com as duas mãos, ficou na ponta dos pés e desferiu um golpe bem na nuca do monstro, mas ele nem se abalou: parou de derramar a comida em sua boca, colocou a panela em cima do fogão de lenha, coçou a nuca com uma garra grande e adunca, olhou para cima e tornou a devorar a comida. O herói e todos seus companheiros, que caíram das árvores, correram cada um para seu lado se escondendo na selva, exceto o cozinheiro, pois sabia que o monstro não mexeria com ele porque só queria sua comida.

Bento Sales


44 comentários:

  1. Bentinho,
    belo conto fantástico!
    Pois bem, às vezes os Mapinguaris só querem mesmo comida, e se o "alimentar-se" desses tipos lendários dependem de quem faz a comida, com certeza nada farão. Isso tudo, disse de forma metafórica e ampla, claro.
    Nós alimentamos os mitos, eis a verdade.

    Muito sábio!

    Grande abraço e um excelente domingo para ti e tua família!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Bento! Mito ou verdade? Em paralelo vejo quantos necessitam "virar panelas de alimentos substanciais e espirituais"... Precisamos reforçar o básico alimentar de cada um nesse mundo faminto e oprimido por "gigantes" ameaçadores! Com muitos "Mapinguaris" convivemos diariamente...
    Destaco a sutileza do desenho interpretativo ao máximo da querida Taciane!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Que conto. Que monstro. Pensava que ia ter um fim engraçado, mais tudo bem. Eu gostei da parte em que o cozinheiro não corre, mesmo porque se ele matasse ele, não teria comida né. rs!
    Até logo. "

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, Bento. Hoje vim te convidar para participar da festa do "REDESCOBRINDO A ALMA", que completou 01 ano de vida dia 28 de Abril.
    Está sendo uma semana muito feliz, e gostaria que comesse um pedaço de bolo comigo na postagem comemorativa.
    http://redescobrindoaalma.blogspot.com

    Depois que você passar lá, eu gostaria que você conhecesse o poeta que deu origem, que incentivou-me a criar o meu blog. Vale a pena!
    Ele faz faculdade de Letras:PORTUGUÊS-ITALIANO.
    É um apaixonado pelo que faz.
    Já falei do seu blog para ele.
    Abaixo, colocarei o endereço dele.

    http://caiovinicius160.blogspot.com

    Obrigada por tudo.
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    OBS: Depois eu volto para comentar a postagem, essa semana é de festa!

    ResponderExcluir
  5. Olá estimado amigo Bento,

    "Devorei" teu texto de alto a baixo. Parecia criança, escutando avó, contando história.
    Que monstro! Eu não sabia o que era um Mapinguari, agora já entendi.
    É lenda, não é?
    O texto está muito bem escrito, sem qualquer erro de digitação, (o mesmo não acontecendo em relação aos que eu escrevo, mas tu estás por perto, e me alertas) e todo ele é muito fluente. Linguagem popular, sem desvios à norma.
    Eu gosto de prosa, que todo o mundo entenda. Poesia pode e deve ser mais rica, mais coloquial.

    Bom Domingo.
    Grata pelo teu comentário e colaboração.

    Abraços da amiga de sempre.

    ResponderExcluir
  6. Oi Bento,

    Tudo bem?Adorei o conto e no início já pensava no Curupira. Penso que a maior parte desses monstros são criados apenas porque não entendemos a natureza. O ideal seri não questiona-lá e aí cada um teria o seu espaço.

    Boa semana!

    Lu

    ResponderExcluir
  7. Oi Bento,

    Li seu conto com uma curiosidade quase infantil, assim são as boas histórias nos fazem devorar cada linha com avidez pela revelação seguinte.

    Quem alimenta sempre vive.

    Abraços e bom feriado para você.

    ResponderExcluir
  8. Gente o que é isso????
    Eu também virava em perna...
    Ah Bento...Só vc mesmo....
    Beijão.

    ResponderExcluir
  9. Haha, esse ganhou pela barriga. Já tinha visto namorado conquistar a namorada pelo estômago. Mas alguém salvar a vida por causa de um rango, foi boa demais!

    Show de bola!

    Abraçãoo

    ResponderExcluir
  10. Que monstro mais guloso rsrsrs...adorável ler seu conto amigo.
    Boa semana, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  11. Ah...super lindo o desenho da Taciane...beijinhos pra ela

    ResponderExcluir
  12. Adorei!! Curti mil vezes o conto, Bento!

    No final das contas quem se deu bem foi o cozinheiro! rsrsrsrs... salvo pelo gongo, ou melhor, pelo tempero!! rsrsrsrs

    Abração

    ResponderExcluir
  13. Sua filhinha está se desenvolvendo cada vez mais, nos desenhos.
    Também me senti criança, devorando seu conto. Mas ele tem muito mais que atração infantil. Muitas vezes, os monstros que nos assustam nada querem de nós, procuram, tão somente, satisfazer suas necessidades básicas.

    Grande abraço, meu amigo. E parabéns por mais essa REFLEXIVA POSTAGEM.

    ResponderExcluir
  14. Saudade de você, seus contos e os desenhos da Taci.

    Seu conto prende atenção do começo ao fim.

    Ótima semana

    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Querido amigo Bento, o conto é bem curioso, mas sem deixar de ser interessante, viu. Justamente por se tratar da região onde o conto é ambientado, que o torna com um certo realismo, eu diria. Um grande abraço e um bom feriado.

    ResponderExcluir
  16. Me prendeu a atenção, sim; assustada igual criança, imaginei tudinho, e fico sem saber se é real ou lenda..juro. Sou ligada nessas coisas. Por exemplo certas figuras do folclore brasileiro, eu penso que existem em algum canto desse imenso País.
    Essa me deu medo; do Curupira eu gosto, porque ele protege as florestas, penso q sim, sei não; o lobisomem é o mais horroroso porque pode matar as suas vítimas.
    Então, vendo pelo lado bom, quem se salvou foi o cozinheiro que sempre "é o mais importante", igual na Escola; as crianças dizem: - Tia, se as merendeiras não vierem trabalhar, a senhora vai fazer nossa comida?
    Quer dizer, pra eles o mais importante é ter a barriga cheia, são crianças carentes.
    Bento, sempre gostei de ler-te, mas andei com uns aborrecimentos devido a uma outra pessoa que usa meu link, e perturba, alguns até me deixam pois ñ sabem quem é quem; eu sou a Mery* original...
    Um abraço e uma boa tarde de feriado do Trabalhador.
    Fui no PC e te vi, aí lembrei-me...foi muito bom, apesar do susto rs

    ResponderExcluir
  17. Quanta imaginação heim?
    Muito bom...a gente fica tensa...

    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Ai que medo Bento!Eu que não quero encontrar com um bicho desse... Belo conto, querido.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Boa noite amigo querido Bento!
    E chego aqui, deparo com uma história muito interessante, de um bicho que nunca ouvi falar, O Mapinguari. Feiinho ele não? Mas mesmo assim quer viver, quer comer, para ter mais tempo de vida. Assim somos nós, se temos, comemos, se não temos, saímos em busca de achar algo para matar a nossa fome, antes que ela nos mata.
    Mas bem que ele poderia dividir com o pessoal do acampamento né? Mas penso que por ser tão enorme, não tinha jeito mesmo de dividir não.
    Nessa história amigo Bento, que tanto gostei, você retrata com perfeição(metaforicamente), como nos tornamos gigantes diante da fome.E penso ser um assunto que é preciso ser discutido e muito por todos nós, pois a fome anda assolando o mundo, não só os seres humanos, pessoas não, mas os animais.Muitos andam invadindo as cidades em busca de alimentos, por que os humanos invadiram as suas privacidades, os seus cantos e lhes roubam os seus alimentos, e destroem as árvores frutíferas que eram muitas vezes o alimento deles. É preciso pensar nisso também. Vejo que seu texto dá margem à várias interpretações, e todas muito proveitosas e reflexivas.
    Obrigada por saber expressar com tanta propriedade os seus textos.
    Parabéns a você e a filha linda, que já sabe tão bem ilustrar a nossa realidade, mesmo que para muitos, seja apenas uma historinha infantil, do "bicho papão".
    Uma bela noite. Abraços.

    ResponderExcluir
  20. Que imaginação fértil, Bento! Gosto de vir aqui para apreciar os teus excelentes contos. Obrigado pelas palavras de incentivos deixadas em meu blog.
    Abração.

    ResponderExcluir
  21. Oi Bento!

    Belo conto!Amei...

    A história sobre Mapiguari, e uma bela ficcâo!
    Essa cultura faz parte dos habitantes Tradiciais,
    da lenda do alto Amazonas.
    Parabéns!
    Bjo na Taciane.
    Um abraço!
    Luci Salles.

    ResponderExcluir
  22. Querido amigo Bento.
    Estive alguns dias ausente e estou em dívida com o carinho de todos.Mas amanhã voltarei para apreciar as suas lindas postagens.
    Boa noite
    Beijos a Taciane.

    ResponderExcluir
  23. Olá Bento,

    O desenho da filhota foi feito sob encomenda, né? É perfeitamente casado com o conto.

    Adorei o conto. Li como se fosse criança, ansiando pelo
    seu final. Muito interessante o personagem.

    Impecável e envolvente. Parabéns!

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  24. Adoro ver os desenhos da sua filha! Sao lindos!

    ResponderExcluir
  25. O desenho e a história são ótimos. As descrições da criatura estão um espetáculo. Ficamos presos nas linhas ansiosos pelo desfecho. E que desfecho! Bem bolado esse final!!

    Abraços, amigo Bento.

    ResponderExcluir
  26. Querido amigo Bento
    Com muito atraso , mas cheguei e fui apreciar a sua postagem anterior com excelente aula como sempre.

    Este conto do monstro lendário é muito interessante.Adorei.Voltei á infância quando lia as histórias de Curupira, Sací-Pererê. E a Taciane conseguiu ilustrar o bichinho , que fofura.
    Me veio este singelo haicai:

    Monstro do mal
    Vem berrando na floresta
    O Mapinguari

    Um lindo final de semana
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  27. Olá, vim lhe desejar um ótimo sábado, um excelente domingo e uma semana proveitosa, – cheia de paz e plena de realizações!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  28. Estive ausente, agradeço o teu comentario e espero a tua visita e a tua leitura de novo.
    Beijinhos,
    Pensando com Arte.

    ResponderExcluir
  29. Prof. Bento, bela história lendária e sabia, afinal, apenas os ogros e incapacitados para interpretar a violencia em substituição ao instinto básico:a fome, em foco.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  30. Conto interessante, desse bicho fabuloso.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  31. Olá meu amigo Bento!
    Vc avaba de criar mais um personagem folclórico entre tantos outros
    existente ai no Amazonas.
    Belo conto aliás, bela lenda em forma de um belo conto!
    bj a vc e a toda familia..um especial a Taci!

    ResponderExcluir
  32. Caro(a) amigo(a), boa tarde!

    Gostaria de convidá-lo a visitar a coluna Haicais de Domingo do Poetas de Marte

    A entrevista dessa semana é com o escritor português David Rodrigues.

    http://poetasdemarte.blogspot.com.br/2012/05/haicais-de-alem-mar.html

    Na coluna do próximo domingo, gostaria de contar com a participação dos que se emaranham na blogosfera.

    Elaborem um haicai homenageando a mulher mais importante de nossas vidas(não fiquem com vergonha) e mandem para o meu email:mat_amorim@hotmail.com

    A coluna "Mãe,Haicaí! Cuida de mim!" ficará muito melhor com a sua participação!

    Espero contar com a presença de muitos!

    Desde já, obrigado!

    Muita paz!

    ResponderExcluir
  33. Olá Bento,

    Me senti devorando esse conto, igual fazia quando criança lendo algumas lendas.
    Descrição fantástica desse monstro. Uma postagem super sábia como sempre, digna de um grande professor. A sua filhota consegui ilustrar lindamente.

    Estive ausente por vários dias, mais estou de volta.

    Um grande abraço!
    ótimo começo de semana meu amigo!

    ResponderExcluir
  34. Bentinho, já comentei acima... só vim convidar vc para visitar o blog do Paulo Cheng. Ele fez uma entrevista comigo, com umas perguntas super interessantes! Se desejar, passa lá...

    Aqui está o link:

    http://www.paulocheng.com/2012/05/entrevista-com-joicy-sociere.html

    Abração

    ResponderExcluir
  35. Salve, Bento!

    Nossa, eu encontrei semelhanças do Mapinguari com um primo que tem um apetite tão voraz quanto! hahahaha

    Excelente o conto, narrativa perfeita!

    Muito obrigado por suas palavras no comentário lá em meu humilde blog na postagem em parceria com a Ana Cecília Romeu. Você possui um olhar detalhista e é recompensador ler um comentário enriquecedor como aquele.

    Um abraço e obrigado mais uma vez! :)

    ResponderExcluir
  36. Nessa visita eu deixo
    Uma boa tarde
    Um abraço carinhoso
    E meus parabéns pelas postagem
    que Agrada aos olhos
    E nos deixa feliz o dia todo
    Bjussss Rita!!!!

    ResponderExcluir
  37. Bento Sales

    Lenda bem interessante como todas. Tem o aliciante de estar bem descrita.
    Gostei da lenda com sabor amazónico.
    Reportado-me ao meu post, fado tem vastas interpretaçõoes. Grato pela visita.
    Abraços

    ResponderExcluir
  38. bento, meu querido amigo,
    estou em crer que a tua intenção com este texto seria, de forma alegórica, chegar às ações absurdas dos homens quando regidas pela ambição e pela vã cobiça. quando o querer ter se sobrepõe a todos os valores, o homem deixa de se conhecer e, sobretudo, deixa de entender o que gira em seu redor. a natureza e os modos de vida particulares (e diferentes do socialmente estabelecido) serão apenas algumas das suas vítimas.

    bela narrativa.

    um abraço!

    ResponderExcluir
  39. Boa noite, Bento.
    Excelente conto este, parabéns.
    Confesso que não conhecia este ente mitológico que descrevestes tão bem.
    Aqui no sul temos o Boitatá (uma espécie de fogo-fátuo) que dizem que assombra os campos à noite.
    E a ambição humana é com toda a certeza digna de punição, já que sem a Natureza nada somos.
    E concordo contigo, não se força ninguém a aprender, o que se deve fazer é mostrar o valor do conhecimento.
    Abraço e bom fim de semana pra ti, Bento.

    ResponderExcluir
  40. Ola Amigo Bento!
    Estive a ler o seu texto e gostei imenso, gosto imenso da forma como conjuras a imagem com o conto..o desenho com o conto! Prendeste-me as descrições...
    Muito obrigada pelo teu comentario tão rico de tudo, a minha alma voou ao ler o seu comentario...MIL obrigadas!
    beijinhos,
    pensando com arte.
    (publiquei o seguimento do outro texto, espero a tua opinião)

    ResponderExcluir
  41. Olá, vim lhe desejar um ótimo sábado; um excelente, feliz e especial domingo Dia das Mães.
    Aceite o abraço fraterno do Viviani.

    ResponderExcluir
  42. Nesse domingo dias das Mães
    quero desejar a todas um dia
    cheio de alegria,com filhos
    família,e amigos!
    Mães são nossa luz que ilumina
    nossa vida,e pra você deixo aqui
    um abraço carinhoso,feliz
    dias das maravilhosas MÃES!

    Que esse Blog continue a mostrar
    essa beleza que vemos todo dia!!
    Bjuss Rita!

    ResponderExcluir
  43. Professor Bento agradeço a interação.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir